Educação ambiental através do SUP

A prática esportiva em contato com natureza não deve focar apenas na atividade em si, mas também na valorização do meio ambiente do local que o esporte está inserido.

 Neste ano, o Tapera Stand Up Paddle desenvolveu atividades que promoveram a educação ambiental das 60 crianças beneficiadas pelo projeto.
educação ambiental através do supDurante a remada as crianças monitoram a presença de lixo na água e recolhem o que estiver pelo caminho. Geralmente encontramos sacolas plásticas e garrafas descartáveis boiando na água.

educação ambiental através do supRealizamos algumas remadas até a Ilha das Laranjeiras e aproveitamos para recolher o lixo que estava preso na vegetação.

educação ambiental através do supEm algumas aulas quando a condição do vento não está favorável para remada, aproveitamos para recolher o lixo da areia da praia.

 Essas atividades são o motor que desperta nas crianças a preocupação com os problemas ambientais e promovem um impacto positivo na qualidade de vida das crianças, dos moradores e visitantes da Praia da Tapera. 

Segurança: entenda a importância do leash.

O leash (também conhecido no Brasil como estrepe) é um acessório de segurança indispensável para a prática do Stand Up Paddle.

É uma cordinha feita por um tipo de borracha elástica que prende a prancha no pé do  praticante.

Ela foi criada nos anos 70 por um surfista da Califórnia chamado Pat O’Neill, para que os surfistas não tivessem que buscar a prancha na areia, toda vez que caíssem em uma onda.

Ao longo dos anos o leash deixou de ser um acessório para a comodidade do surf, e passou a ser um acessório de segurança.

“ Quando você cai da prancha é o leash que garante que ela não vai parar longe do seu alcance.
A prancha pode ser levada pelo vento ou pelas ondas e você fica à deriva.”

Segurança: entenda a importância do leash.

Quando o SUP chegou e se tornou um esporte mundialmente conhecido, o leash já era um acessório consolidado no mundo do surf e precisou passar por algumas adaptações para atender as necessidades dos remadores.

Afinal, uma prancha de SUP é muito maior e mais pesada que uma prancha de surf, portanto o leash precisa ser maior e mais resistente.

Existem dois tipos de leash:
Leash liso: ideal para remar nas ondas devido sua capacidade de esticar bastante. O tamanho do leash precisa ser no mínimo do mesmo tamanho da prancha (Exemplo: se a pessoa rema com uma prancha 10’ ela precisa ter um leash 10’; com prancha 8’ precisa de leash 8’)

“ Surfar com o leash menor que a prancha é um risco muito alto. Quando a prancha é arrastada por uma onda, o leash precisa esticar bastante para que a prancha não volte com força na direção do praticante.”

Leash espiral: ideal para remar em rios e lagoas. O leash fica em cima da prancha e por isso não oferece o risco de enroscar em alguma pedra ou galho no caminho.
Também utilizado por praticantes que buscam performance porque ficam livre do arrasto que o leash provoca na água.

E por fim, prefira um leash com sistema girador, conhecido como destorcedor. O melhor é com dois destorcedores, um em cada ponta.

Isso garante que o leash não fique contorcido e oferece mais resistência em cada esticada.

SUPer Apoio: segurança para nadadores

SUPer Apoio é quando um grupo de remadores acompanha um grupo de nadadores durante um treino ou competição em águas abertas ou abrigadas.
A segurança dos nadadores aumenta significativamente quando esse tipo de apoio é realizado.

Durante o acompanhamento o remador de SUP tem responsabilidades e tarefas para cumprir:

Cercar:

A posição de cada remador é organizada para formar um “cerco ao cardume” , que consiste em cercar os nadadores e não deixar ninguém ficar fora do campo de visão do cerco.

Orientar a direção:

Muitos nadadores perdem tempo durante a prova porque ficam desorientados em relação a direção do trajeto.
Nem sempre as bóias de sinalização estão no campo de visão do nadador, por isso eles acabam perdendo tempo nadando na direção errada.
O remador de SUP cumpre com eficácia o papel de ser um ponto de referência próximo ao nadador para guiar sua direção até a linha de chegada.

Base de apoio

O nadador pode ter cãibras ou ficar cansado, principalmente se for uma prova para atletas amadores.
A prancha de Stand Up Paddle serve como base de apoio para auxiliar o nadador durante esses momentos de dificuldade.

Comunicação com os salva-vidas

Se por algum motivo o nadador não conseguir completar o trajeto, ele precisa ser resgatado pelos salva-vidas do evento. O remador de SUP pode avisar a embarcação dos salva-vidas acenando com o remo.

É um meio muito mais eficaz do que o atleta precisar levantar os braços para chamá-los.

A história do SUPer Apoio começou em 2014 quando fomos convidados pela organização do Iron Man para acompanhar os atletas durante a prova de natação na Praia de Jurerê em Florianópolis.

Já tivemos a honra de realizar SUPer Apoio para a Travessias.com na prova Reveza 10 durante o trajeto entre Ilha do Anhatomirim em Governador Celso Ramos até a Praia da Daniela em Florianópolis e na etapa do Grand Prix na Praia de Palmas em Governador Celso Ramos.

“ É emocionante acompanhar de perto a adrenalina dos nadadores durante a competição e ao mesmo tempo ter responsabilidades que reforçam a segurança deles.”

Também realizamos SUPer Apoio no treino e na tradicional prova da Sotália na Ilha do Campeche em 2017.
Os salva-vidas da Foripa Surf Life Saving Club também receberam nosso SUPer Apoio na travessia entre a Praia de Canasvieiras e a Ilha do Francês e na travessia entre o Terminal Lacustre e a Praia do Castelinho na Lagoa da Conceição em Florianópolis.