Posts

Como funcionam os passeios?

Desde 2014 somos uma empresa especializada em turismo de aventura com Stand Up Paddle e Caiaques.

Realizamos passeios turísticos em Florianópolis e na Palhoça. Atualmente oferecemos 9 roteiros em Florianópolis e 3 na Palhoça. Saiba mais: Roteiros

Florianópolis: Lagoa do Peri – Cachoeira da Gurita, Ilha do Campeche, Ilha do Francês, Canal da Barra, Pântano do Sul – Praia da Solidão, Farol de Naufragados, Downwind lagoa da Conceição, Lagoa do Peri – Margem Oeste e Ilha Ratones Grande

 

Palhoça: Rio Maciambu (Saiba mais.) Ilha do Papagaio (Saiba mais) e Guarda do Embaú.

Guiamos o passeio com toda segurança necessária e fornecemos pranchas de Stand Up Paddle e Caiaques com 1, 2 e 3 lugares.
Quem tem equipamento próprio também pode participar.

Quando acontece?

No período da alta temporada, entre 15 de Dezembro e 15 de Março, os passeios acontecem todos os dias.

Durante a baixa temporada os passeios acontecem todos os fins de semana, feriados e durante a semana com agendamento.

Programação dos roteiros:

A programação é realizada de acordo com a previsão climática. A condição do vento, tempo e das marés precisam estar adequadas para nossa segurança.

Oferecer um passeio em condições seguras é nossa obrigação, por isso monitoramos constantemente sites e aplicativos especializados em previsão climática.

  • Se o roteiro é realizado no mar, monitoramos a previsão do vento e da ondulação.
  • Se o roteiro é realizado em águas abrigadas (lagoa, rio ou canal), levamos em consideração a previsão do vento e das marés

O fator tempo também é analisado. Se houver previsão de chuva com possibilidade de raios, o passeio pode ser cancelado. Mas se não houver previsão de raios, o passeio acontece normalmente.

Afinal, vamos estar praticando um esporte aquático, então se molhar não pode ser um problema.

Receba a programação dos passeios no seu email.

Contato

Requisitos de participação:

  • Para participar não precisa ter experiência (exceto Ilha do Campeche). Oferecemos as instruções sobre a remada e os procedimentos de segurança antes de iniciar o passeio.
  • Não precisa saber nadar, utilizamos colete salva-vidas que garantem nossa flutuação na água.
  • Crianças a partir de 4 anos podem participar na prancha com adulto responsável.
  • Não precisa ter um grupo para participar do passeio, pode ser individual.

Tarifas:

  • Para quem precisa alugar equipamento o valor é R$120,00. Incluso: prancha ou caiaque, remo, leash, colete salva-vidas e roupa em neoprene long john + guia e apoio de instrutoras de SUP com qualificações em técnicas do esporte, salvamento aquático e primeiros socorros + cobertura de segura médico e de vida para atividades de turismo de aventura.
  • Para quem tem equipamento próprio o valor é R$40,00. Incluso colete salva-vidas + guia e apoio de instrutoras de SUP com qualificações em técnicas do esporte, salvamento aquático e primeiros socorros + cobertura de segura médico e de vida para atividades de turismo de aventura.
  • Criança é cobrado 50% do valor da reserva.
  • Desconto de 15 % para grupos a partir de 10 pessoas.

Tempo de duração:

Os passeios têm duração de 4 horas. Mas não são 4 horas remando!

Esse é o tempo para toda dinâmica da atividade, entre trajeto da ida, volta, paradas para descanso e lanche.

Alguns roteiros também têm trilha e cachoeira.

Se preferir receba a programação dos passeios no seu Whatsapp. Clique aqui e solicite.

 

Análise das condições climáticas para a prática do SUP

Nesse momento que estamos impedidos de compartilhar nossos conhecimentos através dos passeios de SUP, vamos pegar esse limão e fazer uma limonada.

O plano é continuar compartilhando nossos conhecimentos, só que agora vamos fazer isso através de vídeos e sites que vamos ensinar a usar.

Nesses vídeos você vai aprender sobre análise das condições climáticas, geográficas e atitudes para a prática segura do Stand Up Paddle.

Quando entramos no mundo dos esportes aquáticos ou dos esportes praticados ao ar livre, logo percebemos a necessidade de obter conhecimentos sobre os elementos naturais que envolvem a prática. No caso do SUP, quando aprendemos a analisar a previsão climática e a geografia do local da remada, nos tornamos capazes de planejar e realizar uma remada com segurança.

Para fazer um passeio seguro de SUP não é só pegar a prancha, remo, leash, colete salva-vidas e sair remando por aí. Você precisa ter informações sobre a geografia do local e saber qual é a previsão climática para o dia e horário da remada.

Quando falamos da condição climática, estamos nos referindo à análise da previsão do vento, tempo, mar e maré.

  • VENTO: precisa saber qual é a direção, velocidade normal e velocidade da rajada. Também é importante saber qual é a progressão da direção e velocidade durante o tempo da remada.

Foto da SUP Trip Downwind Lagoa da Conceição. Esse roteiro é realizado remando a favor do vento. Aproveitamos a força do vento para pegar uma carona e atravessar a Lagoa da Conceição.

  • TEMPO: por favor não seja o tipo de pessoa que só quer remar quando têm sol, nós entendemos que o dia ensolarado deixa a natureza mais colorida, mas não podemos esquecer que remar em dias nublados faz o corpo cansar menos.

    Seja um remador raiz se o dia estiver mais frio, é só usar uma roupa em neoprene e o nosso conforto térmico fica garantido.

    Nos dias com previsão de chuva não estamos impedidos de remar, praticamos um esporte aquático então se molhar não é problema! Se começar a chover durante a remada, é só ficar atento na incidência de raios e sair da água assim que eles começarem.

  • MAR:  quando o passeio é realizado em águas abertas precisamos ter conhecimentos sobre os aspectos que envolvem o mar. Você precisa saber qual é o tamanho das ondas, direção e o período da ondulação.

Foto da SUP Travessia Ilha do Campeche. Esse roteiro precisa ter um planejamento cuidadoso de acordo com a previsão do vento e do mar.

  • MARÉS: para remar em lugares que sofrem influência das marés, você precisar ter conhecimentos sobre o horário da troca das marés e planejar o trajeto de acordo com a variação entre a maré baixa e cheia.
    Também é importante saber qual é a fase da lua para não remar em dias com muita força de maré (correnteza).
SUP Trip Canal da Barra

Foto da SUP Trip Canal da Barra. Esse roteiro precisa ser planejado de acordo com o horário da troca das marés e a fase da lua. O plano é não precisar remar contra a maré e o vento ao mesmo tempo.

 

Cada local possui diferentes aspectos que precisam ser considerados.

Quando realizamos o roteiro SUP Trip Lagoa do Peri – Cachoeira da Gurita o principal aspecto que levamos em conta é o vento.

Na SUP Travessia Ilha do Campeche  analisamos a previsão do vento e das condições do mar.

Na SUP Trip Canal da Barra ou na SUP Trip Farol de Naufragados levamos em conta os aspectos que envolvem o vento, mar, troca da maré e fase da lua.

 

Acompanhe todos os episódios no nosso Instagram, Facebook ou no canal do Youtube  e aproveite esse período da quarentena para aprender sobre os aspectos que envolvem a segurança de uma remada.

 

Quando o período da quarentena passar você vai se sentir muito mais à vontade no mundo do Stand Up Paddle.

 

 

 

 

Segurança: entenda a importância do leash.

O leash (também conhecido no Brasil como estrepe) é um acessório de segurança indispensável para a prática do Stand Up Paddle.

É uma cordinha feita por um tipo de borracha elástica que prende a prancha no pé do  praticante.

Ela foi criada nos anos 70 por um surfista da Califórnia chamado Pat O’Neill, para que os surfistas não tivessem que buscar a prancha na areia, toda vez que caíssem em uma onda.

Ao longo dos anos o leash deixou de ser um acessório para a comodidade do surf, e passou a ser um acessório de segurança.

“ Quando você cai da prancha é o leash que garante que ela não vai parar longe do seu alcance.
A prancha pode ser levada pelo vento ou pelas ondas e você fica à deriva.”

Segurança: entenda a importância do leash.

Quando o SUP chegou e se tornou um esporte mundialmente conhecido, o leash já era um acessório consolidado no mundo do surf e precisou passar por algumas adaptações para atender as necessidades dos remadores.

Afinal, uma prancha de SUP é muito maior e mais pesada que uma prancha de surf, portanto o leash precisa ser maior e mais resistente.

Existem dois tipos de leash:
Leash liso: ideal para remar nas ondas devido sua capacidade de esticar bastante. O tamanho do leash precisa ser no mínimo do mesmo tamanho da prancha (Exemplo: se a pessoa rema com uma prancha 10’ ela precisa ter um leash 10’; com prancha 8’ precisa de leash 8’)

“ Surfar com o leash menor que a prancha é um risco muito alto. Quando a prancha é arrastada por uma onda, o leash precisa esticar bastante para que a prancha não volte com força na direção do praticante.”

Leash espiral: ideal para remar em rios e lagoas. O leash fica em cima da prancha e por isso não oferece o risco de enroscar em alguma pedra ou galho no caminho.
Também utilizado por praticantes que buscam performance porque ficam livre do arrasto que o leash provoca na água.

E por fim, prefira um leash com sistema girador, conhecido como destorcedor. O melhor é com dois destorcedores, um em cada ponta.

Isso garante que o leash não fique contorcido e oferece mais resistência em cada esticada.

SUPer Apoio: segurança para nadadores

SUPer Apoio é quando um grupo de remadores acompanha um grupo de nadadores durante um treino ou competição em águas abertas ou abrigadas.
A segurança dos nadadores aumenta significativamente quando esse tipo de apoio é realizado.

Durante o acompanhamento o remador de SUP tem responsabilidades e tarefas para cumprir:

Cercar:

A posição de cada remador é organizada para formar um “cerco ao cardume” , que consiste em cercar os nadadores e não deixar ninguém ficar fora do campo de visão do cerco.

Orientar a direção:

Muitos nadadores perdem tempo durante a prova porque ficam desorientados em relação a direção do trajeto.
Nem sempre as bóias de sinalização estão no campo de visão do nadador, por isso eles acabam perdendo tempo nadando na direção errada.
O remador de SUP cumpre com eficácia o papel de ser um ponto de referência próximo ao nadador para guiar sua direção até a linha de chegada.

Base de apoio

O nadador pode ter cãibras ou ficar cansado, principalmente se for uma prova para atletas amadores.
A prancha de Stand Up Paddle serve como base de apoio para auxiliar o nadador durante esses momentos de dificuldade.

Comunicação com os salva-vidas

Se por algum motivo o nadador não conseguir completar o trajeto, ele precisa ser resgatado pelos salva-vidas do evento. O remador de SUP pode avisar a embarcação dos salva-vidas acenando com o remo.

É um meio muito mais eficaz do que o atleta precisar levantar os braços para chamá-los.

A história do SUPer Apoio começou em 2014 quando fomos convidados pela organização do Iron Man para acompanhar os atletas durante a prova de natação na Praia de Jurerê em Florianópolis.

Já tivemos a honra de realizar SUPer Apoio para a Travessias.com na prova Reveza 10 durante o trajeto entre Ilha do Anhatomirim em Governador Celso Ramos até a Praia da Daniela em Florianópolis e na etapa do Grand Prix na Praia de Palmas em Governador Celso Ramos.

“ É emocionante acompanhar de perto a adrenalina dos nadadores durante a competição e ao mesmo tempo ter responsabilidades que reforçam a segurança deles.”

Também realizamos SUPer Apoio no treino e na tradicional prova da Sotália na Ilha do Campeche em 2017.
Os salva-vidas da Foripa Surf Life Saving Club também receberam nosso SUPer Apoio na travessia entre a Praia de Canasvieiras e a Ilha do Francês e na travessia entre o Terminal Lacustre e a Praia do Castelinho na Lagoa da Conceição em Florianópolis.